segunda-feira, 29 de maio de 2017

Un brazuca en Argentina - Prólogo

Oba! Parece que está sem trânsito, saindo agora!
Me mudar de país, largar meu emprego, que eu amo e me considero bom nele, para vir não apenas para a Argentina, mas para uma cidade minúscula chamada Mar del Tuyú, com sete mil habitantes, foi algo que eu nunca achei que realmente faria.

Eu quero dizer, há sete anos atras compramos uma casa aqui, que alugávamos para recuperar parte do dinheiro investido e também, não mantê-la fechada, mas também com a intensão de ter filhos e vir morar aqui. Esse sempre foi o plano. Mas os filhos não vinham. E eu mudei de empresa e comecei a gostar do que fazia. E fomos ficando cômodos com nossa casa e nossa vida.

Porém, em algum momento de 2015/2016 o mundo começou a nos dar sinais. Conseguimos engravidar, logo após o falecimento do avô da Minha esposa, e minha própria avó faleceu durante a gravides. Então foi o pai da minha esposa que morreu, sem que ela pudesse viajar para prestar suas homenagens, pois estava grávida de gêmeos e houveram complicações.

Do apartamento que alugávamos, primeiro o fosso do elevador alagou, nos obrigando a um auto exílio a casa dos meus pais, pois ela não podia subir escadas. Depois dono do imóvel o perdeu na justiça numa disputa da família e foi obrigado a colocá-lo a venda, nos forçando a mudar para o imóvel de um amigo e salvador, durante a semana do parto.

O pós-parto começamos a ver que passamos a gastar mais do que ganhávamos, com os bebês minha esposa largou dois empregos, e por eles eu passei a gastar uma fortuna em leites, pela intolerância a lactose que um deles teve.

Chegou o dia que cheguei em casa, minha esposa semi louca entre um que estava doente, outro que chorava de fome, as mamadeiras pegaram fogo no processo de colocá-las-para-ferver-para-higienizar-e-esquecer-delas, e eu chegava tarde de uma viagem de negócios. Foi o oposto do dia do fico. Foi o dia do vamos, mas não sabíamos disso ainda.

A decisão de mudar não nasceu da loucura daqueles dias, mas da paz abissal de outros meses mais tarde...

0 comentários: